Esclarecendo versos alterados: Zacarias 12 x João 19

Como vimos anteriormente, muitos versos da Bíblia foram alterados para criar evidências de que Jesus foi previsto por nossos profetas. A passagem que vamos analisar hoje se encontra no profeta Zacarias capítulo 12. Vamos entender primeiro qual foi a intençao dos cristãos.

O livro de João nos conta, que durante a crucificação, os soldados romanos quebraram as pernas dos outros crucificados para acelerar sua morte. Mas não fizeram isso com Jesus.

Mas quando chegaram a Jesus, percebendo que já estava morto, não lhe quebraram as pernas. Em vez disso, um dos soldados perfurou o lado de Jesus com uma lança, e logo saiu sangue e água…

Estas coisas aconteceram para que se cumprisse a Escritura:

Nenhum dos seus ossos será quebrado,e, como diz a Escritura noutro lugar” (Zacarias 12:10).

Olharão para aquele que traspassaram.” (João 19:33-37).

Nessa passagem o autor do livro de João alega que Jesus cumpriu duas profecias messiânicas. Na primeira ele segue sua linha de pensamento em todo o livro, comparando Jesus com o sacrifício de Pesach. Por isso, da mesma forma que o cordeiro de Pessach não podia ter ossos quebrados, assim também Jesus não teve seus ossos quebrados. Vamos tratar disso em um outro momento. Nosso foco agora é a segunda passagem. Nela o autor alega o cumprimento da profecia de Zacarias.

Obviamente que eles não contavam que alguém se interessaria em checar o verso original. Então vamos analisar juntos o texto de Zacarias e comparar com a versão cristã.

Antes de analisar o contexto vamos primeiro expor a adulteração que os autores da Bíblia Cristã fizeram. O texto original em Zacarias diz:

E derramarei sobre a Casa de David e sobre os moradores de Jerusalém o espírito da graça e das súplicas, e olharão para Mim por causa daqueles que foram traspassados e lamentarão como quem lamenta a morte de seu único filho, e sofrerão como quem sofre por seu primogênito” (Zacarias 12:10)

Repare que o verso não diz “Olharão para aquele que transpassaram“, e sim:
Hibitu Elai (הִבִיטו אֵלַי ) Olharão para Mim, Et Asher Dakaru (אֵת אֲשֶר דָקָרוּ ) por causa daqueles que foram traspassados.

Na versão em inglês da Bíblia Cristã, conhecida como “The Living Bible” eles traduzem o verso de Zacarias 12:10 como:
“Eles olharão para ele a quem traspassaram…” (The Living Bible, Zacarias 12:10).

Fica claro a intenção do autor de João e dos tradutores da versão Cristã. Alterando o pronome e o sentido da frase eles apontam a profecia para a história de Jesus. Uma pergunta inevitável. Se isso foi o cumprimento tão óbvio de uma “profecia messiânica”, porque não consta em nenhum outro evangelho do Novo Testamento? Nem Mateus, nem Marcos ou Lucas, que relatam a crucificação e o enterro de Jesus, falam sobre essa profecia. Aliás nem Paulo ou qualquer outro autor dentro do Novo Testamento menciona isso.

Um ponto interessante ressaltar, que nos comentários cristãos sobre a profecia de Zacarias, eles descrevem que os Judeus olharão no futuro, aquele a quem eles (os Judeus) traspassaram.

Na segunda vinda de cristo, Israel o reconhecerá como seu messias, admitindo com profunda contrição ter sido ele a quem seus antepassados rejeitaram e traspassaram.” (Pastor Charles Caldwell Ryre, Bíblia Anotada, pág.1165).

Na verdade esse tipo de comentário contradiz o que o livro de João conta, pois de acordo com ele, a profecia já foi cumprida quando um soldado o traspassou:
um dos soldados perfurou o lado de Jesus...” (João 19:34).

Foi exatamente o fato de um soldado tê-lo traspassado, ao invés de quebrar suas pernas, que realizou o cumprimento da profecia. Ou seja, a profecia já foi cumprida de acordo com o autor de João.

Então porque os teólogos cristãos comentam no verso de Zacarias que essa é uma profecia sobre a segunda vinda de Jesus??? Quem está certo o autor do Novo Testamento ou seus comentaristas??

Na verdade nenhum deles está. Porque a profecia não se trata de Jesus e sim de um evento futuro que afetará todo o povo Judeu de maneira extraordinária.

A profecia de Zacarias fala sobre um conflito muito grande no futuro, onde muitas nações se uniriam para atacar Jerusalém. Cenário aliás não muito difícil de visualizar hoje em dia.

Naquele dia farei de Jerusalém uma pedra pesada para todas as nações e todos que tentarem levantá-la se machucarão muito, e todas as nações da terra se unirão contra ela.” (Zacarias 12:3).

De acordo com essa profecia, apesar das improbabilidades, o povo Judeu prevalecerá:

Naquele dia farei com que os líderes de Judá sejam semelhantes a um braseiro no meio de um monte de lenha, como uma tocha incandescente entre gravetos. Eles consumirão à direita e à esquerda todos os povos ao redor, mas Jerusalém permanecerá intacta em seu lugar.” (Zacarias 12:6).

Mas apesar da grande vitória, haverá também um grande luto por causa daqueles que sofreram as consequências da guerra, aqueles que foram “traspassados”.

Naquele dia procurarei destruir todas as nações que atacarem Jerusalém. E derramarei sobre a Casa de David e sobre os moradores de Jerusalém o espírito da graça e das súplicas, e olharão para Mim por causa daqueles que foram traspassados e lamentarão como quem lamenta a morte de seu único filho, e sofrerão como quem sofre por seu primogênito. Naquele dia muitos chorarão em Jerusalém, como os que choraram em Hadadrimon no vale de Megido. Todo o país chorará.” (Zacarias 12:9-12).

Esse luto é comparado ao que aconteceu no “vale de Megido”. Mas o que aconteceu lá? Foi no vale de Megido que morreu o último grande rei de Israel (Judá), o rei Josias (Ioshiahu), em uma batalha contra o Egito. Nessa batalha, o rei Josias decidiu se disfarçar de um soldado qualquer para lutar lado a lado com seu povo.

Josias, contudo, não quis voltar atrás, e disfarçou-se para enfrentá-lo (o Egito) em combate. Ele não quis ouvir o que Necho (rei do Egito) lhe disse por ordem de D’us, mas foi combatê-lo no vale de Megido. E na batalha, flecheiros atingiram o rei Josias, pelo que disse aos seus oficiais: Tirem-me daqui. Estou gravemente ferido. Eles o tiraram do seu carro, colocaram-no em outro e o levaram para Jerusalém, onde morreu. Ele foi sepultado nos túmulos dos seus antepassados, e todos os moradores de Judá e de Jerusalém choraram por ele. Jeremias compôs um cântico de lamento em homenagem a Josias, e até hoje todos os cantores e cantoras homenageiam Josias com cânticos de lamento. Estes se tornaram uma tradição em Israel e estão escritos na coletânea das Lamentações.” (2 Crônicas 35:22-25).

Esse foi o luto que aconteceu no vale de Megido, e todo o povo chorou. E da mesma forma que choramos pela morte do rei Josias, choraremos pela morte daqueles que se foram, “como quem lamenta a morte de seu único filho“.

Mas esse luto não vai apagar a alegria da vitória e redenção do povo Judeu, pois esse luto fará com que o todo o povo Judeu retorne completamente para D’us.

Pois vamos olhar para Ele (D’us), por causa daqueles que foram traspassados, no enlutar e voltar para Ele que nos salvou e nos alegrar, conforme está escrito:

Regozijai-vos com Jerusalém, e alegrai-vos com ela, vós todos os que a amam; transbordai de alegria por ela, todos os que por ela se enlutaram.” (Isaías 66:10).

Os momentos de maior angústia são aqueles em que perdemos alguém muito querido. O luto nos faz pensar sobre a vida e aprendemos a valorizá-la. São nesses momentos que aprendemos que existe mais na vida do que isso que nossos olhos enxergam, e é essa reflexão que nos aproxima no nosso Criador. Sabemos que o maior índice de retorno ao Judaísmo são daquelas pessoas que passaram a frequentar a Sinagoga para recitar o Kadish (prece dos enlutados). Percebem o conforto que a presença de D’us traz para suas vidas e pouco a pouco começam a se entregrar.

Mas esse sofrimento vai se confortado por Aquele que nos prometeu quando nos enviou o profeta Isaías:

Enviou-me para cuidar dos que estão com o coração quebrantado,…para consolar todos os que andam tristes, e dar a todos os que choram em Sião uma bela coroa em vez de cinzas, o óleo da alegria em vez de pranto, e um manto de louvor em vez de espírito deprimido. Eles serão chamados carvalhos de justiça, plantio do Eterno, para manifestação da sua glória.” (Isaías 61:1-3).

Que seja em breve, em nossos dias!