Mensagem de conclusão

Diante dessa coletânea de contradições e falsas profecias proferidas pelo próprio Jesus, lembremo-nos das palavras de Paulo: “Um pouco de fermento leveda a massa toda” (Gálatas 5:9). Com tanto fermento de contradições e de colisões com a Torah, como estará a “massa” do “Novo Testamento”? É preciso evitar esse “pão” contaminado de mentiras, falsidades, deturpações e anti-semitismo!

O estudo deste modesto trabalho expõe, claramente, a razão pela qual nós, judeus, não aderimos à fé cristã – sua base de sustentação, o “Novo Testamento”, não nos convence de sua veracidade. Continuamos com a nossa Torah, que queremos ser respeitados em nossas tradições e na expectativa da vinda do nosso Mashiach, porque Jesus Nazareno não satisfez os anelos proféticos de nosso Povo – de Paz e Justiça! Lembremo-nos, irmãos judeus, do conselho: “Porventura não te escrevi excelentes matérias sobre conselhos e conhecimento? Terás, assim, a certeza das Palavras da Verdade, a fim de poderes responder claramente aos que te procurarem” (Provérbios 22:20, 21). Temos a Torah, escrita e oral, para nos guiar nas “Netivot Hashem”, de modo que podemos dizer, ao Eterno, que iremos seguir o Caminho Antigo, da nossa Torah! (Yirmeyahu [Jeremias] 6:16). Nada pode nos deter nessa sagrada decisão, porque possui o poder de nos dar um objetivo sublime na vida agarra, abrindo-nos os portais do tempo, onde poderemos divisar, com segurança, o usurfruto da Redenção, com nossos antepassados, na Eternidade! Amen.

Obrigado a todos os colaboradores e os sócios da AJA!