Virgem! Como você sabe?

Sinais são indícios ou provas, marcas de identificação, algo que possa ser apresentado para se comprovar a posse ou origem de um objeto.

Será que D’us determinaria que um dos sinais para identificar o Messias seria um que ninguém conseguisse comprovar? Ou seja, um sinal que não é de fato um sinal? De acordo com o Novo Testamento ninguém sabia ou jamais mencionou em público o fato de Jesus ter nascido de uma virgem. Se fosse de fato um sinal que provaria a identidade do Messias, o nascimento virginal deveria ter sido relatado em todos os evangelhos e não somente em Mateus e Lucas. Além de não constar nos livros de Marcos e João, Paulo também não pareceu se importar muito com isso em suas cartas. Um ponto importante é lembrar também que Jesus jamais usou esse “sinal” para provar sua legitimidade, nem para seus discípulos que já acreditavam nele.

Histórias como essas são muito comuns na mitologia greco-romana. Deuses do Olimpo descendo ao mundo e tendo relações com humanas e delas nascerem Semi-deuses, ou um homen-deus. Hércules é o exemplo mais famoso, filho de Zeus e da mortal Alcmena. E foi esse tipo de mito que os autores do Novo Testamento tentaram criar.

De acordo com o Evangelho de Lucas, João Batista era parente próximo de Jesus (ver Lucas 1:36). Se o nascimento virginal fosse um sinal divino do Messias, era de se esperar que pelo menos os familiares fossem saber. Então porque João Batista precisou de comprovação da legitimidade de Jesus? (Mateus 11:2-3) Quantas pessoas nasceram de uma virgem além dele?!?! De acordo com a foto abaixo, nosso amigo Ciro vai testemunhar o próximo. Quem sabe ele também não se candidata a Messias?